TRATAMENTOS ESPECIAIS

CONHEÇA MAIS SOBRE TRATAMENTOS

Fisiosexologia 

Avaliação e Tratamento Especializado para:

Disfunção Erétil 
Ejaculação Precoce 
Incontinência Urinária Masculina 
Disfunções Sexuais Femininas 
Baixa Libido 
Incontinência Urinária Feminina 
Ginástica Abdominal Hipopressiva.

Realizada com exclusividade em nossa Rede Conveniada pela Clínica Perfecto, nas seguintes condições:

Desconto de 15% na consulta de avaliação

Desconto de 10% nas sessões para pagamento à vista ou 
8 vezes pelo cartão de crédito (sem acréscimo de juros, porem sem o desconto).

Consulta de Avaliação - Agendamento / Mais informações :: (41) 3015-8486
Rua Buenos Aires, 444 - Conj. 103 B - Batel - Curitiba/PR

 
ENTENDA O QUE É A FISIOSEXOLOGIA

O sexo para os seres humanos, além das questões da reprodução, é uma questão de felicidade, pois as disfunções sexuais podem gerar conflitos conjugais e entraves na vida pessoal, inclusive no ambiente de trabalho. Dada à importância que o tema desempenha na vida das pessoas, a Universal Saúde foi buscar o que há de melhor nesse segmento de saúde e concretizou excelente parceria com a Clínica Perfecto para tratamento de homens e mulheres que sofram ou venham a sofrer alguma disfunção de ordem sexual.

A Fisiosexologia é uma especialidade da Fisioterapia, criada pelo fisioterapeuta belga Dr. Marcel Caufriez na década de 1980 e engloba um conjunto de técnicas dirigidas a restabelecer a função erótica em homens e mulheres adultos, com a finalidade de melhorar a prática sexual, aumentar a potencia sexual e reabilitar a sexualidade em casos de disfuncões.



  
Drª Priscila Hermann é a responsável técnica pela Clínica Perfecto. 

Possui vasta experiência e formação internacional, além de qualificações adicionais que a tornam Especialista em disfunções sexuais masculina e feminina.

- Fisioterapeuta com formação internacional na Espanha, pela Sociedade de Neuromiostática Visceral em Fisiosexologia e Gisnástica Hipopressiva níveis I e II

- Pós-graduada em Noergologia

- Formação Brasil-França em Uroginecologia e Coloproctologia

- Formação em Eletromiografia nas Disfunções do Assoalho Pélvico

- Formação Internacional em Sexualidade para Profissionais Fisioterapeutas

- Formação em Microfisioterapia




PROBLEMAS QUE A FISIOSEXOLOGIA AJUDA A RESOLVER 

Para os homens 
Disfunção Erétil - Ejaculação Precoce - Incontinência Urinária Masculina

Para as mulheres
Disfunções sexuais femininas - Incontinência Urinária feminina

Na Coloproctologia
Constipação Intestinal (prisão de ventre) - Ginástica Abdominal Hipopressiva 
 
Principais Disfunções Sexuais no Homem e Seus Tratamentos

Ejaculação precoce


  É a dificuldade de controlar ou adiar a ejaculação pelo tempo desejado. Nestes casos, é necessária a reeducação sexual. A ejaculação precoce é uma disfunção normalmente funcional que faz com que a musculatura não trabalhe de forma adequada, o que acaba sendo associado como informação automática pelo cérebro. A reabilitação sexual nesta disfunção consiste na orientação pelo fisioterapeuta de novos comandos para o paciente, para que ele comece a automatizar a informação correta.


Muitos casais, onde o homem não possui um bom controle ejaculatório apresentam problemas relacionais, onde a mulher pode evitar as relações sexuais, temendo não sentir prazer, ou o homem ter sua libido (vontade de ter relações) afetada, diminuindo o número de relações e prejudicando ainda mais seu problema, estes sintomas trazem para o casal desgastes e cobranças, dificultando a recuperação do homem. 

Qualquer homem pode aprender a controlar sua ejaculação basta querer mudar. 


A fisioterapia reabilita o assoalho pélvico e ensina ao paciente sua anatomia, através de uma didática lógica, assim como sua fisiologia, ou seja, o funcionamento da região pélvica e sua interligação com o restante do organismo, além de tratar a causa do problema o paciente aprenderá como seu corpo pode trabalhar a seu favor. 
O tratamento pode ser local, realizado com aparelhos de fisioterapia, específicos para a região genital e o número de sessões é variável de acordo com cada paciente. Geralmente 15 sessões são suficientes, porém existem casos que necessitam de mais tempo de recuperação.

As sessões são realizadas uma vez por semana e duram em média 40 minutos. 

O tratamento também pode alternativamente ser em nível global, com o objetivo de ensinar o paciente que o sexo é um jogo de corpo inteiro, tirando o foco do órgão sexual (pênis). 
Com um tratamento funcional, seguro e sem contra-indicações, o paciente irá readquirir sua liberdade e confiança, reeducando sua função sexual.
  



Disfunção erétil 

A disfunção erétil se caracteriza pela dificuldade em não ter mais ereções ou de não conseguir mantê-las pelo tempo necessário para sua satisfação e/ou a de sua parceira.
As causas podem ter origem em problemas como desequilíbrios metabólicos e/ou orgânicos causados por pressão alta, diabetes, alcoolismo, tabagismo ou depressão além dos desequilíbrios funcionais e emocionais. Assim como na Ejaculação Precoce, o tratamento prevê a reeducação funcional, emocional e sexual com o objetivo de condicionamento cerebral.

A ereção é o primeiro efeito da estimulação sexual no homem, e seu grau de ereção é diretamente proporcional ao grau de estimulação que o homem recebe. Dois tipos de estimulação erótica ocorrem, pelo visual ou pelo estímulo local, principalmente na glande ou cabeça do pênis, que fisiologicamente é a fonte mais importante dos sinais nervosos para que o homem possa iniciar o ato sexual.

Para que a ereção seja bem sucedida vasos, nervos, artérias e músculos têm que estar em pleno funcionamento. 
A partir dos 30 anos o organismo inicia sua deterioração e começam a aparecer problemas como diabetes, colesterol e triglicerídeos, frutos do sedentarismo e de alimentação inadequada, geralmente, combinados com o tabagismo, álcool e estresse. 

Como conseqüência a pressão pode começar a variar e o coração, assim como o pênis podem começar a sofrer, pois se formam nas artérias placas de gordura e, então, o sangue tem dificuldade de circular, principalmente nas artérias periféricas (neste caso no pênis). 

Com o sedentarismo a musculatura afrouxa e deixa de desempenhar sua função de auxiliar na manutenção da ereção, e o homem percebe que quando seu pênis está ereto, seja pelo efeito de medicamentos ou não, ele já não possui o mesmo ângulo de quando era mais jovem.

Os homens que podem se beneficiar com um tratamento pela fisiosexologia são aqueles que ainda possuem ereção, porém não tão firmes ou não tão demoradas como antes. 

Este tipo de problema é mais comum em homens acima de 40 anos, porém não é uma situação normal, quando não possui uma causa orgânica (cardíaca, pós cirurgia de próstata, Peyronie), neurológica (pós AVC, por exemplo) ou metabólica (diabetes, tireoide), a causa do problema pode ser de ordem física (músculos). 

Neste caso o tratamento é realizado com aparelhos de fisioterapia, com o objetivo principal de aumentar o fluxo sanguíneo local, ou seja, no pênis e fortalecer a musculatura peniana responsável em manter a ereção. 
Em geral 6 meses de tratamento são suficientes para homens mais novos e sem problemas orgânicos e/ou metabólicos, para aqueles cujo organismo já está mais débil o tratamento pode se estender mais. 

As sessões são realizadas semanalmente e duram em média 1 hora. 

Principais Disfunções Sexuais na Mulher e Seus Tratamentos

A questão cultural da mulher

Uma boa ereção não depende somente do homem, uma parceira sexual interessada e desinibida também ajuda e muito o homem nesta hora. 

Mulheres enfrentam diversos problemas em relação ao sexo em sua vida, como repressões familiares, religiosas e pelos preconceitos e tabus que rodeiam o sexo, repressões que elas próprias criam com relação a sexualidade, como por exemplo, com relação à masturbação, sexo oral, sexo anal e mudança de posições. 

Estes tipos de inibição podem prejudicar o desempenho masculino, seja diminuindo a excitação ou gerando ou piorando um problema de ejaculação precoce. 

Além dos problemas educacionais, problemas orgânicos afetam a sexualidade feminina e como conseqüência a sexualidade de seu parceiro, como:

Alterações hormonais (leia também MODULAÇÃO HORMONAL), que podem causar diminuição de libido, aumentando o intervalo entre as relações, causando um problema de ritmo corporal;

Diminuição da lubrificação vaginal, que pode gerar dor durante o ato sexual 
Frouxidão da musculatura perineal prejudicando o desempenho masculino, pois, fisiologicamente, o homem para manter sua ereção necessita de um bom fluxo de sangue no pênis, mas também de uma vagina bem lubrificada e com as paredes bem firmes para que o pênis não perca os estímulos locais e possa manter uma ereção pelo período desejado. 

Estética corporal, o corpo humano inicia um processo de envelhecimento, perdendo o viço e a forma anterior, diminuindo a auto-estima de ambos, então as relações começam a ficar mais raras, modificando vários ritmos corporais, inclusive os hormonais. 

O Ato Sexual para a Mulher 

Fisiologicamente, o bom desempenho do ato sexual feminino se dá primeiramente pelo estímulo erótico visual e/ou pela estimulação local (clitóris, vulva, ânus). A estimulação local nas mulheres ocorre mais ou menos como no homem, porque a massagem e outros tipos de estimulação da vulva, vagina e outras regiões do períneo criam sensações sexuais. 

Na mulher também há a ereção, porém neste caso, do clitóris, onde as artérias se dilatam para a entrada sanguínea, imediatamente a estimulação das glândulas de Bartolin iniciam a secreção do muco fazendo a lubrificação durante o ato sexual e permitindo uma sensação satisfatória de massagem em vez de uma sensação irritativa, que uma vagina seca pode provocar. 

Após atingir a estimulação local máxima são iniciados reflexos que causam o clímax feminino. 
Durante o clímax os músculos perineais se contraem ritmicamente, as sensações também vão para o cérebro e causam tensão muscular intensa por todo corpo. 

Após o clímax visceral e sentimental se sucede a fase de resolução, caracterizada pela sensação de satisfação e paz relaxante.

O períneo é formado por músculos, tanto interna como externamente. A musculatura interna apóia e ajuda a manter as vísceras pélvicas em posição. A mulher durante o ato sexual apresenta ereção do seu clitóris; anexo ao tecido erétil estão os músculos sexuais, estes são mais externos e quando se contraem, durante a atividade sexual, puxam o clitóris para baixo, comprimindo sua drenagem venosa e facilitando a ereção. 

Quanto mais sadia esta musculatura, mais volumosos estão os músculos proporcionando um aumento da satisfação na relação para ambos os parceiros, pois músculos fortes são sinônimos de maior aporte sanguíneo local, estimulando a lubrificação vaginal adequada, aumentando a resistência às infecções e retardando as mudanças atróficas da idade. 
Os músculos da vagina são músculos voluntários que podem ser comandados porém passíveis de melhora, tenha a mulher problemas e/ou dificuldades sexuais ou não.

Anorgasmia

É a dificuldade que a mulher apresenta em conseguir chegar ao orgasmo, seja pelo toque ou com penetração, ou associados. Pode ser causado pela falta de conhecimento do próprio corpo, vergonha ou tabus. Pode ocorrer de  vez em quando ou ocorrer sempre. 

Pode ser primária, onde a mulher nunca conseguiu sentir orgasmo, ou secundária, onde a mulher sentia orgasmo e após algum período deixou de senti-lo. 

As causas físicas que prejudicam o prazer sexual da mulher podem ser: a diminuição da circulação na região da vagina e clitóris, causada por colesterol e/ou triglicerídeos elevados, pressão arterial alta e diabetes; a retração do clitóris, também, pode prejudicar o prazer da mulher, é como um mamilo invertido, o clitóris precisa, através de técnicas fidedignas, ser “puxado” para “fora” para que a mulher possa sentir mais facilmente o orgasmo. 

A anorgasmia difere da frigidez, pois na anorgasmia existem sensações agradáveis durante a penetração, porém sem chegar ao clímax, já na frigidez é como se não existisse nada, nenhuma sensação, nem boa, nem má. 

A anorgasmia pode ser tratada com técnicas de fisiosexualidade com o objetivo de proporcionar um aumento circulatório e vascular na vagina, tendo como conseqüência a ereção do clitóris facilitada e uma lubrificação maior. 
Com bons músculos a mulher terá mais controle de sua reações, podendo melhorar seu rendimento e a satisfação sexual. 

Diminuição da Lubrificação 

Ocasionada por baixa excitação ou por problemas hormonais muitas mulheres sofrem com este tipo de problema, antes ou após a menopausa. 
A diminuição da lubrificação vaginal pode levar ao baixo desejo sexual, à dispaneuria (dor no momento da relação), a dificuldade em chegar ao orgasmo e pode, inclusive, atingir o parceiro sexual, pois para a ereção se manter é necessário uma vagina com tônus normal (fechada) e com ótima lubrificação, portanto mulheres que possuem diminuição da lubrificação podem levar seu parceiro a uma disfunção erétil, situacional ou não.
O tratamento para a diminuição da lubrificação pode ser realizado de forma local (vagina e/ou no clitóris), com o objetivo de aumentar as fibras musculares do assoalho pélvico, aumentando o aporte sangüíneo e conseqüentemente uma circulação mais abundante no local. 

A sensibilidade clitoriana e vaginal ficará aumentada e a relação sexual se tornará mais agradável e prazerosa para o casal. 

Baixo Desejo Sexual

A diminuição da libido é um problema que pode ter diversas causas, hormonais, metabólicas, neurológicas, físicas, psicológicas, emocionais. 

Para as causas físicas e emocionais (não psicológicas, em nível de sistema nervoso central – Sistema Simpático e Parassimpático), a fisioterapia pode ser a única opção de tratamento efetivo, pois com as diversas técnicas que podem ser utilizadas a mulher e seu parceiro se beneficiarão. 

A Ginástica Abdominal Hipopressiva - GAH

A hipopressão abdominal se traduz por uma queda da pressão intra-abdominal, é uma variação da pressão negativa. Com a GAH (Ginástica Abdominal Hipopressiva) há uma queda significativa da pressão intra-abdominal e por via reflexa uma contração dos músculos do assoalho pélvico e da cinta abdominal e uma inibição dos músculos hiperpressivos. 

A GAH é indicada para as urgências miccionais, pubalgias, cruralgias, ciatalgias, dorsalgias, cervicalgias, distúrbios do ritmo cardíaco, distúrbios respiratórios (asma), hérnias de hiato, algias pélvicas, constipação intestinal, pós-parto, correção postural ou simplesmente para a estética corporal. 

A GAH consiste numa classe de ginástica composta por exercícios posturais. As técnicas hipopressivas são baseadas na manutenção de uma determinada postura durante um determinado tempo, provocando de imediato uma queda da pressão intra-abdominal e intra-torácica e uma modificação do esquema corporal.

A GAH é realizada a um ritmo lento de respiração livre, com a manutenção de cada postura durante pelo menos 25 segundos, de preferência, em apneia expiratória (permitindo assim um melhor relaxamento do diafragma). É uma ginástica composta por 8 tipos de posturas e vários exercícios em cada uma destas.

Seus objetivos visam tonificar o pavimento pélvico e a parede abdominal, normalizar as tensões dos músculos anti-gravíticos e parietais implicados no equilíbrio postural.